...
a bioleve é especializada na parceria com seus distribuidores. Entre em contato e receba toda orientações!
REQUISITOS PARA SER UM DISTRIBUIDOR
A água mineral é um produto natural muito delicado e não tem conservantes. Por isso, é fundamental que os distribuidores observem os seguintes procedimentos:
As áreas externas devem ser pavimentadas e livres de entulhos;
O teto deve ser isento de vazamentos e goteiras;
O piso deve estar em nível elevado em relação à rua para permitir o escoamento da água;
Parede, piso e teto devem ser secos, sem infiltração. Umidade e bolor devem ser laváveis;
O depósito deve ser lavado no mínimo uma vez por semana, sem a utilização de produtos de limpeza com cheiro forte;
As pias e banheiros devem ser separados das áreas de estocagem;
A grama, quando houver, deve ser aparada, a fim de não se constituir um foco de proliferação de pragas;
O local de armazenagem deve ser fresco, ventilado e longe de incidência excessiva de luz solar;
Deve existir área própria e isolada ou demarcada para produtos devolvidos;
Os ralos internos devem ser evitados. Se necessários devem ser sifonados e tampados para evitar odores e a entrada de pragas e contaminação com microorganismos e fungos;
As áreas de armazenagem devem ser mantidas livres de resíduos e sujeiras.
De acordo com as normas da Vigilância Sanitária e ABNT para distribuidores de água mineral: - O prazo de validade estabelecido pelo envasador e constante dos rótulos deve ser rigorosamente respeitado;
- As instruções quanto ao empilhamento devem também ser respeitadas;
- Garrafões devem ser estocados a uma altura de 25 cm do chão, em uma distância de 45 cm da parede e 60 cm do teto;
- O empilhamento máximo é de 4 unidades, intercaladas com chapas;
- Nunca se deve colocar o produto diretamente no chão;
- Adote o procedimento PEPS, ou seja, o primeiro produto a entrar no armazém deve ser o primeiro a sair.
O veículo destinado ao transporte das embalagens deve ser inspecionado antes da operação de carga e só deve ser utilizado se satisfizer as seguintes condições:
- Apresentar compartimento de carga limpo, sem odores ou pontas, como, por exemplo, pregos, lascas e outros;
- Não apresentar a menor evidência da presença de insetos, roedores, pássaros, umidade, materiais estranhos e odores intensos;
- Possuir lonas e forrações impermeáveis, isentas de furos e rasgos, limpas, secas e sem odores ou resíduos que possam contaminar ou sujar as embalagens. A utilização da lona é obrigatória, mesmo que o percurso seja curto;
- O empilhamento máximo do produto (4 unidades de garrafões) deve ser respeitado, para não danificar as embalagens;
- O emblocamento e a amarração devem ser bem firmes, utilizando cantoneiras para evitar danos ocasionados pelas cordas;
- As lonas devem ser dispostas bem esticadas, para evitar acúmulo de água na superfície;
- Os caminhões devem ser exclusivos para água; o transporte de outros produtos juntamente com a água não deve ser feito;
- Os madeirites têm que estar sempre secos e limpos com boa conservação;
- Os garrafões vazios devem ser transportados deitados para impedir sujeiras no gargalo e corpos estranhos em seu interior (pedaços de madeirites, folhas, etc.)
- Os caminhões devem atender a Regulamentação de Transporte de Produtos Alimentícios – Portaria N° CVS 15 – Decreto Estadual N° 12.342 que tem o intuito de normatizar e padronizar o transporte de alimentos para consumo humano, na seguinte conformidade:
1 - Os meios de transporte de alimentos destinados ao consumo humano, refrigerados ou não, devem garantir a integridade e a qualidade a fim de impedir a contaminação e deterioração do produto.
2 - É proibido manter no mesmo continente ou transportar no mesmo compartimento de um veículo, alimentos e substâncias estranhas que possam contaminá-los ou corrompê-los.
3 - Excetuam-se da exigência do item anterior, os alimentos embalados em recipientes hermeticamente fechados, impermeáveis e resistentes, salvo com produtos tóxicos.
4 - Não é permitido transportar, conjuntamente com os alimentos, pessoas e animais.
5 - A cabine do condutor deve ser isolada da parte que contém os alimentos.
6 - No transporte de alimentos, deve constar nos lados direito e esquerdo, de forma visível, dentro de um retângulo de 30 cm de altura por 60 cm de comprimento, os dizeres: Transporte de Alimentos, nome, endereço e telefone da empresa, Produto Perecível (quando for o caso);
7 - Os veículos de transporte de alimentos devem possuir Certificado de Vistoria, de acordo com o Código Sanitário vigente.
8 - O Certificado de Vistoria é concedido após inspeção da autoridade sanitária competente, obedecidas as especificações desta portaria."
Entre outras disposições
Os caminhões devem atender a Regulamentação de Transporte de Produtos Alimentícios – Portaria N° CVS 15 – Decreto Estadual N° 12.342, que tem o intuito de normatizar e padronizar o transporte de alimentos para consumo humano, na seguinte conformidade:
Os funcionários que trabalham com água mineral devem ser treinados e obedecer as normas de higiene e apresentação pessoal, tais como:
unhas cortadas, mãos e roupas limpas;
Lavar sempre as mãos antes de manipular os produtos;
Conferir sempre as condições de apresentação e higiene dos produtos antes de vendê-los;
Inspecionar os garrafões trazidos pelos consumidores, verificando as condições do garrafão quanto à limpeza, odores e integridade, além do ano do fabricação, recusando o garrafão quando necessário;
Orientar o consumidor para que traga os garrafões limpos e também para proteger o produto da luz solar e claridade excessiva;
Realizar sempre trocas quando solicitadas pelo consumidor e encaminhar o produto à fonte, devidamente identificado, para análise no laboratório interno.
É muito importante não colocar os rótulos e adesivos da distribuidora no painel central onde são colocados rótulos da envasadora, para não haver sobreposição;
A bioleve não aceita garrafões com rótulo/tampa/lacre, devendo o distribuidor retirá-los antes de levá-los para a fonte;
Fazer inspeção nos garrafões ao recebê-los de seus clientes;
Verificar se não há presença de corpos estranhos em seu interior, se não apresentam odor e se estão em boas condições de higiene;
Não aceitar garrafões muito velhos e encardidos; a aparência das embalagens é muito importante.
- Comece orientando-o para que leia e siga as instruções da embalagem retirando lacre e tampas totalmente antes do uso no caso de garrafões;
Oriente-o quanto à higienização correta do bebedouro e do garrafão;
- Observe se os garrafões não ficam em locais quentes ou com claridade excessiva (lavanderia, ao lado de motores quentes, vitrô da cozinha etc);
- Verifique também se os garrafões não permanecem em locais como ao lado do fogão (muita gordura, fritura), ao alcance de crianças (que podem introduzir objetos e produtos em seu interior), animais ou expostos à chuva, poeira, insetos, entre outros;
Verifique o tempo de consumo da água do garrafão, que não deve passar de 15 dias após aberto e oriente, se necessário, a troca do galão de 20 litros pelo de 10 litros.
- Ao receber o garrafão vazio, verifique se há presença de odores e observe as condições de higiene do mesmo olhando o seu interior.
- O distribuidor é parte integrante do processo de qualidade dos garrafões envasados, não só após o recebimento do produto final, mas já na qualidade dos garrafões enviados à fonte para envase.
- Quando recebemos garrafões sujos, com resíduos de tampas e/ou rótulos, atrasamos o processo, reduzindo a produtividade, afetando o tempo de espera do caminhão para o carregamento e até mesmo o custo do envase do mesmo.
- Os garrafões nessas condições devem ser lavados manualmente antes de entrar no processo e ocasionalmente chegam à lavadora obrigando a paralisação de toda a linha para sanitização da mesma.